Make a Wish, Harry

1 comentários

   Hoje, dia 31/07 é aniversário de J.K. Rowling, autora de Harry Potter, e também do bruxinho. Resolvi fazer esse post para mostrar minha admiração pela história. A imagem do post, do momento "Make a Wish, Harry", uma das frases icônicas do filme, pelo menos para mim. Desde a madrugada de hoje, os brasileiros colocaram nos Trending Topics várias homenagens à data.
   Eu, como muitos outros, tomei gosto pela leitura com Harry Potter. E tive a oportunidade de crescer junto com o personagem, literalmente. Tinha pouco mais de 10 anos quando ganhei o primeiro livro, e desde então virei fã incondicional. Aprendi lições valiosas com os livros da série, e esperei pelos filmes ansiosamente. O último livro foi publicado em 2007, e por mais que eu tentasse esperar um pouco para ler (para não acabar logo), acabei devorando o livro assim como fiz com os outros. Mas só ficou claro que acabou quando o último filme estreou, em 2011. Chorei e sorri em vários momentos ao longo da série, e desde então comecei a ler cada vez mais, independente do tipo de livro. Por mais que se refiram à outras séries, como já fizeram com Crepúsculo e Percy Jackson, como "o novo Harry Potter", não acho que haverá algo como Harry Potter, que tenha tanto signficado quanto este teve para uma geração e ainda terá para as próximas.
 “You're a wizard, Harry.”
   Vou sempre lembrar com carinho de Harry Potter, e fico agradecida por Joanne Rowling ter o escrito. Aprendi a gostar de ler com Harry Potter, e se não tivesse apresentada à literatura com esse livro, talvez não tivesse tanto interesse quanto tenho hoje. E, pra terminar, se eu tivesse que escolher o melhor livro que já li, definitivamente escolheria A Pedra Filosofal, não porque acho que é o melhor da série (prefiro O Enigma do Príncipe), e sim porque é o começo da série, o livro que apresenta Harry e seu mundo. E acho impossível ler o primeiro e não querer ler os outros seis depois.

Caixa do Correio #4

0 comentários
Esse mês resolvi comprar alguns quadrinhos, já que estou querendo muito começar a ler. Comprei os encadernados do vol. 2 de Sandman, Preacher e Homem-Aranha. Também comprei 1984 de George Orwell (já me apaixonei pela edição e estou muito ansiosa para ler!). E por fim, recebi "O Almanaque da Música Pop no Cinema", pela parceria com a Leya.


Resenha: Lugar Nenhum

5 comentários
Um conto de fadas moderno, Lugar Nenhum fascina tanto os leitores de fantasia quanto os fãs de literatura pop. Com a inteligência, o humor e a capacidade única de fundir sonho e realidade que caracterizam a sua obra, Gaiman conta a história de Richard Mayhew, um jovem escocês que vive uma vida normal em Londres. Tem um bom emprego e vai se casar com a mulher ideal. Uma noite, porém, ele encontra na rua uma misteriosa garota ferida e decide socorrê-la.
   O livro conta a história de Richard Mayhew, um cara que veio da Escócia para Londres há pouco mais de três anos. Arranjou um emprego mediano e está noivo de uma mulher extremamente controladora. Ele é meio covarde, e tem o costume de abaixar a cabeça para os outros.
   Quando Richard está saindo com sua noiva, Jéssica, eles encontram uma garota desacordada no chão, no meio da calçada. E é aí que a vida dele vira de cabeça para baixo. Richard resolve socorrê-la, e a pedido dela, não a leva para um hospital e sim para sua casa. Lá a garota, que na verdade se chama Door ( isso mesmo, porta em inglês) se recupera rapidamente.
   Door veio de um mundo subterrâneo, que é mais como uma realidade paralela. O lugar se chama Londres de baixo, e é lá que vão parar os moradores de ruas e pessoas esquecidas. Londres de baixo é um lugar sombrio, com criaturas desconhecidas para nós. As pessoas lá ainda são tratadas com títulos devido a importância de sua família.
   A família de Door foi assassinada e ela foi a única sobrevivente. Os assassinos são o Sr. Croup e o Sr. Vandemar, duas criaturas sobrenaturais e muito antigas, que definitivamente estão entre os melhores personagens da história, eles dão medo mas ao mesmo tempo as tiradas engraçadas e antiquadas deles são o ponto forte do livro. Door quer descobrir quem mandou eles matarem sua família e além disso, tem que fugir deles o tempo todo. Ela tem a ajuda do Marquês de Carabas, um malandro irônico que tinha uma dívida com seu falecido pai e está tentando quitá-la.
   Depois de se recuperar, sem explicar nada para Richard e acabar apresentando ele a algumas bizarrices de seu mundo, ela vai embora o deixando para trás com inúmeras perguntas. Richard fica curioso sobre tudo aquilo que viu e ao mesmo tempo fica aliviado por ter se livrado de possíveis problemas. No dia seguinte, ele segue sua vida normalmente (pegar o táxi, ir ao trabalho), mas o único problema é que ninguém o vê. Começando pelos táxis, todos os ignoram como se ele fosse invisível. Depois disso ele faz a única coisa que pode, e tenta entrar na Londres de baixo atrás de Door.
   Os personagens são bons, Londres foi muito bem detalhada, fiquei sabendo de muitas coisas históricas sobre a cidade que não tinha nem idéia. O problema no livro, para mim, foi que até a ação começar tudo é muito cansativo. Quando chega a parte boa do livro, faltam só (isso mesmo, só!) 150 páginas para fechar a história. A história é um pouco confusa, mas a Londres de baixo é muito menos louca do que o País das Maravilhas de Alice, por exemplo. É um bom livro, se você conseguir passar do começo. O jeito que Gaiman escreve é muito bom, gostei muito dos diálogos. Os personagens evoluem durante a leitura, alguns personagens acabam mostrando que a primeira impressão não significa nada. Estou louca para ler outros livros do Neil Gaiman.

Lançamentos: Julho

2 comentários


Hazel é uma paciente terminal. Ainda que, por um milagre da medicina, seu tumor tenha encolhido bastante - o que lhe dá a promessa de viver mais alguns anos -, o último capítulo de sua história foi escrito no momento do diagnóstico. Mas em todo bom enredo há uma reviravolta, e a de Hazel se chama Augustus Waters, um garoto bonito que certo dia aparece no Grupo de Apoio a Crianças com Câncer. Juntos, os dois vão preencher o pequeno infinito das páginas em branco de suas vidas.


Seu mundo mudou para sempre. Callie perdeu os pais quando as guerras de Esporos varreu todas as pessoas entre 20 e 60 anos. Ela e seu irmão mais novo, Tyler, estão se virando, vivendo como desabrigados com seu amigo Michael e lutando contra rebeldes que os matariam por uma bolacha. A única esperança de Callie é Prime Destinations, um lugar perturbado em Berverly Hills que abriga uma misteriosa figura conhecida como o Old Man. Ele aluga adolescentes para alugar seus corpos aos Terminais - idosos que desejam ser jovens novamente. Parece quase um conto de fadas, até Callie descobrir que sua locatária pretende fazer mais do que se divertir - e que os planos de Prime Destinations são tão diabólicos que Callie nunca podia ter imaginado.

Resenha: Ladrão de Olhos

3 comentários
O que o destino reserva a uma criança cega e órfã, que usa seus dotes para roubar todo tipo de objeto de qualquer tipo de pessoa? Uma criança que dorme em um porão escuro e frio durante o dia e é obrigada a sair furtivamente à noite para cometer seus delitos e, assim, sobreviver? O que o destino reserva a um garoto de dez anos que já é considerado o maior ladrão que já nasceu?
   Peter Nimble foi abandonado quando era criança e encontrado por marujos bêbados, dentro de um cesto aonde um corvo haviam bicado seus olhos. Os marujos mataram o corvo, e entregaram Peter às autoridades. Após fugir do orfanato, Peter foi criado por um malandro chamado Sr. Seamus, que o treinou para se tornar o maior ladrão que o mundo já vira.
   A vida dele toma outro rumo, após ele roubar uma misteriosa caixa de um caixeiro-viajante. Dentro da caixa, há três pares de ovos e após quebrá-los, ele percebe que as gemas são diferentes de tudo que ele conhecia. Em dado momento, Peter acaba colocando um dos pares de gemas em suas cavidades oculares, tendo motivos para acreditar que era aquilo que tinha que ser feito. Assim que ele coloca os olhos, ele é imediatamente transportado para um lugar diferente de todos os que ele já havia estado.

Relançamento de Os Pilares da Terra

3 comentários

Essa semana a Ed. Rocco divulgou que durante a Bienal vão relançar a edição especial de Os Pilares da Terra, em volume único e com capa dura. Sempre ouvi falar muito bem da história e após o lançamento da série (que ainda não assisti) me animei ainda mais e saí em busca dos livros, que tinham sido lançados em dois volumes em 1992 pela Rocco, e não os encontrei a venda. Bem, nem preciso dizer que vou comprar o livro, e que estou ansiosa para ver como ele é (adoro livro de capa dura). Visualmente a capa do livro é muito bonita, ainda mais se você comparar às capas da primeira edição. Ainda não achei em pré-venda, mas imagino que em breve deve estar.
A figura que melhor expressa os ideais que inspiraram Ken Follett a escrever este livro é Philip, prior de Kingsbridge, um homem que luta contra tudo e todos para construir um templo grandioso a Deus. Mas a galeria de personagens que gravitam em torno da catedral inclui Aliena, a bela herdeira banida de suas terras, Jack, seu amante, Tom, o construtor, William o cavaleiro boçal, e Waleran, o bispo capaz de tudo para pavimentar seu caminho até o lugar do Papa, em Roma. Como painel de fundo, uma Inglaterra sacudida por lutas entre os sucessores prováveis ao trono que Henrique I deixou sem descendentes.
Épico que consegue captar simultaneamente o que acontece nos castelos, feiras, florestas e igrejas, Os pilares da terra é a recriação magistral de uma época que nossa imaginação não quer esquecer.

Cinquenta Tons de Cinza chega ao Brasil

3 comentários

   Sim, a nova febre mundial entre mulheres vai ser lançada no Brasil ainda esse ano. O primeiro volume da série de E. L. James, Cinquenta Tons de Cinza, que começou como uma fanfiction de Crepúsculo e se tornou um fenômeno entre mulheres com mais de trinta anos, chega ao Brasil dia 1º de agosto, pela editora Intrínseca. As duas outras continuações, Cinquenta Tons Mais Escuros e Cinquenta Tons de Liberdade chegam ao país em 15 de setembro e 1º de novembro, respectivamente.
   Apelidado pela mídia estrangeira como "pornô para mamães", a triologia erótica já ultrapassou várias marcas de vendas lá fora, dentre elas, primeiro livro de bolso a chegar a 1 milhão de cópias vendidas e 10 milhões de cópias vendidas nas seis primeiras semanas (nos Estados Unidos). A Focus Features - da grande Universal Pictures - comprou os direitos para passar a triologia das páginas para a telona. Kristen Stewart é a preferida das fãs para fazer o papel de Anastasia Steele, e Ian Somerhalder (Damon de The Vampire Diaries), já disse que aceitaria fazer o papel de Christian Grey.
"Quando Anastasia Steele entrevista o jovem empresário Christian Grey, descobre nele um homem atraente, brilhante e profundamente dominador. Ingênua e inocente, Ana se surpreende ao perceber que, a despeito da enigmática reserva de Grey, está desesperadamente atraída por ele. Incapaz de resistir à beleza discreta, à timidez e ao espírito independente de Ana, Grey admite que também a deseja - mas em seus próprios termos. Chocada e ao mesmo tempo seduzida pelas estranhas preferências de Grey, Ana hesita. Por trás da fachada de sucesso - os negócios multinacionais, a vasta fortuna, a amada família -, Grey é um homem atormentado por demônios do passado e consumido pela necessidade de controle. Quando eles embarcam num apaixonado e sensual caso de amor, Ana não só descobre mais sobre seus próprios desejos, como também sobre os segredos obscuros que Grey tenta manter escondidos."